Cadastre-se e assista uma demonstração online

Demonstração Interativa

Acesse e conheça todos os detalhes do software Advanced Business ERP

Advanced Business E.R.P

Fim do emissor gratuito do Sefaz está próximo: entenda o que muda

Fim do emissor gratuito do Sefaz está próximo: entenda o que muda

Desde 2006, a Secretaria de Fazenda (SEFAZ) de São Paulo oferece um emissor gratuito de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) e, também, o Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e). Dez anos depois, no entanto, o governo paulista decidiu encerrar o serviço, o que significa que o emissor não será mais disponibilizado para novos usuários, e o aplicativo atual não receberá mais atualizações.

Mas o que motivou a SEFAZ a decretar o fim do emissor gratuito? A partir de quando não será mais possível utilizar este serviço? E, afinal, quais as opções que os empresários terão para emitir notas fiscais eletrônicas? É justamente para responder essas perguntas que preparamos este artigo. Acompanhe!

CTA - e-book Como escolher a melhor ferramenta de gestão para sua empresa

Entendendo o fim do Emissor Gratuito da SEFAZ

Desde o início da digitalização de processos fiscais pelo estado de São Paulo, ainda na metade da década de 2000, a Secretaria de Fazenda decidiu criar um emissor de NF-e e CT-e gratuito para seus contribuintes. A decisão era importante, já que esse tipo de produto era uma novidade.

Os contribuintes tiveram que passar por um período de transição entre as notas tradicionais e as notas eletrônicas – vale lembrar que softwares desenvolvidos por empresas para esse fim ainda não eram muito populares nem acessíveis.

Cerca de dez anos depois, no entanto, essa realidade mudou completamente. De acordo com a própria SEFAZ, apenas 7,8% das Notas Fiscais Eletrônicas são emitidas pelo emissor governamental. Os outros 92,2% são oriundos de emissores próprios das empresas. Os números de Conhecimento de Transporte Eletrônico também mostram que a participação do emissor da SEFAZ não é tão popular: apenas 3,7% dos CT-e são emitidos por essa via.

Mas por que um emissor gratuito tem tão pouco mercado? Basicamente, porque as empresas encontraram soluções mais práticas e completas junto a prestadoras de serviço particulares que apresentam preços competitivos. Ou seja, é possível encontrar emissores de notas fiscais eletrônicas integrados aos sistemas de gestão das empresas, como os ERPs, e que são de fácil uso e manutenção. Emitir notas fiscais eletrônicas pela plataforma do SEFAZ, portanto, poderia ser gratuito, mas era uma solução pouco produtiva e não intuitiva.

Quanto tempo sua empresa tem para encontrar outro emissor?

Apesar do anúncio do fim do SEFAZ ter sido feito recentemente, ainda no primeiro semestre de 2016, ele já tem uma data certa para dar o adeus definitivo: 1º de janeiro de 2017. Sim, você tem pouco menos de seis meses para encontrar uma nova solução para NF-e e CT-e na sua empresa.

Quem já tem o software instalado, poderá continuar utilizando-o normalmente. O problema é que, a partir da data definitiva, o programa não será mais atualizado, o que pode gerar uma série de problemas – que vão desde o mau funcionamento do emissor até a descoberta de brechas de segurança por pessoas mal intencionadas, o que não será mais corrigido pela Secretaria de Fazenda, como acontece atualmente.

O emissor de notas fiscais ainda está disponível para download de novos usuários, mas os neófitos já recebem um aviso sobre a iminente descontinuação do programa. Logo, não há saída: é preciso procurar por novas soluções que atendam o perfil do seu negócio e, claro, que caibam no seu bolso. Afinal, emitir notas fiscais eletrônicas é uma obrigação para todas as empresas, com exceção de alguns tipos de negócios da modalidade Micro Empreendedor Individual (MEI).

Para te ajudar a fazer essa escolha, vamos te dar algumas dicas. Confira!

Como escolher um novo serviço para emitir Nota Fiscal Eletrônica?

Como falamos anteriormente, parte do declínio do emissor do SEFAZ se dá por conta das boas opções de serviços oferecidos pelo mercado. Se você ainda não as conhece, saiba que a mudança forçada pelo fim do software gratuito pode se transformar em uma oportunidade para a sua empresa encontrar soluções mais eficientes de gestão contábil e fiscal.

Vejamos o que você deve procurar no seu novo emissor de NF-e para fazer uma migração suave e, ao mesmo tempo, produtiva. Fizemos uma pequena lista, com três fatores importantes a serem considerados na escolha:

1. Mudança facilitada

Nós sabemos que toda mudança traz uma série de estresses, e isso não será diferente quando estamos falando de um processo vital para a sua empresa ,que é a emissão de notas fiscais.

Por isso, para não transformar esse contratempo em uma enorme dor de cabeça, procure emissores que apresentam ferramentas de automatização da migração de plataforma, fazendo com que o processo seja mais rápido e seguro.

2. Preço adequado

Sejamos sinceros: a principal vantagem de emitir nota fiscal eletrônica pela SEFAZ era que o processo não tinha custos. No momento de crise, perder essa gratuidade pode soar como um enorme problema, mas, acredite, isso não é motivo para desespero.

Dependendo do tamanho da sua empresa, você consegue encontrar ferramentas oferecidas com o preço de instalação e manutenção bastante reduzidos. Mas antes de adquirir uma destas ferramentas, o ideal é solicitar uma apresentação completa do software para certificar-se que ele realmente atende as necessidades da sua empresa.

3. Integração

Mudar o seu serviço de emissão de notas fiscais pode ser muito mais relevante para a sua empresa do que uma simples troca: deve ser o momento de você dar um upgrade nos seus processos internos. Hoje em dia, é possível contar com os ERPs (Enterprise Resource Planning ou Planejamento de Recursos da Empresa). Basicamente, são programas de computador que podem ser acessados pela nuvem, por meio de computadores, tablets ou celulares, que conjugam vários processos administrativos e financeiros de uma empresa em uma única plataforma – o que, inclui, claro, o emissor de notas fiscais.

Isso significa que você não irá apenas emitir as notas fiscais: o sistema será capaz de identificar, por exemplo, o seu volume de vendas, de entregas, e mesmo te alertar, de maneira automática, se sua empresa terá que mudar de sistema tributário por causa de um possível aumento significativo de vendas. Ou seja, você estará otimizando um serviço burocrático para que ele se transforme, também, em uma importante ferramenta de gestão e controle da sua empresa. A mudança, portanto, vai valer a pena.

Você ainda tem alguma dúvida sobre como emitir nota fiscal eletrônica após o fim do emissor gratuito da SEFAZ? Deixe seu comentário!

Compartilhe